-->

PUB

PUB

Publicada por / terça-feira, 2 de setembro de 2008 / 2 Comments /

[OFF-TOPIC]: FÉRIAS de A a Z


A
ALGARVE
Uma vez que não sou político, administrador da Galp ou gestor de uma empresa pública, este ano voltou a não haver condições financeiras para passar as férias nas praias paradisíacas das Maldivas ou de Bora Bora, como há muito ambiciono. O destino de férias da família Astronauta foi, uma vez mais, o apartamento de um familiar, na Praia da Rocha. Nada de luxos, mas suficientemente confortável para passar uns dias descontraídos.
Apesar da crise, os portugueses continuam a encher o Algarve em Agosto. Nada mudou. As filas são as do costume, os restaurantes estão cheios, as praias apinhadas e as ruas inundadas de gente. Ou seja, não faltam motivos para evitar o Sul do país nesta época do ano. No entanto, apesar de todo o reboliço provocado pela avalanche de turistas, a verdade é que gosto sempre de regressar ao Algarve. Mesmo em Agosto. Quanto mais não seja para desfrutar das
melhores e mais belas praias do país que, na minha opinião, continuam a situar-se entre Vila Real de Sto António e Sagres.

B
BENFICA
O arranque previsível, tendo em conta todas mudanças operadas no plantel. Esta é uma equipa nova, em construção, que precisa de tempo para amadurecer, absorver novos métodos e assimilar novas rotinas de jogo. Será que vai ter esse tempo? Caso os resultados não apareçam (e não estão a aparecer), a impaciência dos adeptos será o maior inimigo de Quique e deste grupo de jogadores. O jogo contra o FCP mostrou que há motivos para acreditar neste grupo. Gostei, acima de tudo, do carácter e empenho da equipa. No entanto, há alguns problemas que precisam ser resolvidos: contratar um lateral-direito de raiz; meter, de uma vez por todas, o Katsouranis a jogar onde é mais útil, que é no meio-campo; colocar o Aimar no apoio ao ponta-de-lança e não a jogar como ponta-de-lança; repensar a preparação física dos jogadores para que se evitem os desgastes do último desafio. Caso seja possível resolver estas questões a tempo, quem sabe, talvez consigamos umas coisas com piada esta época. Pelo menos, fazer melhor figura que no ano passado, o que não será difícil. Não vale é a pena pensar em título. Sim, porque o título, a avaliar pelas opiniões dos comentadores da nossa praça, parece que já está entregue.

C
CRIMINALIDADE
Este foi um dos assuntos mais quentes deste Verão. O país está entregue a ladrões e bandidos. Nada que não soubéssemos há muito. Estes, contudo, não usam fato e colarinho branco. Estes usam máscaras, carros de alta cilindrada, pistolas e até explosivos. Num país de tanga e de brandos costumes (demasiado brandos, diga-se), onde a lei protege mais os criminosos que as forças da autoridade, alguém se surpreende com o aumento da criminalidade? Este é o resultado de anos consecutivos de políticas criminais desastrosas e de atropelos constantes à autoridade das forças da lei. Os criminosos andam à solta, sentem-se impunes e não vão parar por aqui. Tenham medo, muito medo.

D
DVDs
Aproveitei as férias para ver, em DVD, alguns dos muitos filmes que perdi quando estrearam nas salas de cinema nacionais. “The Brave One”, “Juno”, “The Prestige”, “Michael Clayton”, “Gone Baby Gone”, “Hot Fuzz”, “Superbad”, “There Will Be Blood”, “Two Days In Paris” e “Joe Strummer – a alma dos Clash”, foram os filmes que preencheram as minhas noites de Verão. Todos corresponderam às expectativas. Porém, encheu-me a vista a assombrosa interpretação de Daniel-Day Lewis em “There Will Be Blood”. Óscar mais que merecido para o actor irlandês.

E
ELEIÇÕES AMERICANAS
Acredito em Obama. Parece-me um tipo inteligente, sensato e bem intencionado. Acredito sinceramente que o candidato democrata é o melhor que pode acontecer à América neste momento, depois de 8 anos de obscurantismo protagonizados por George W. Bush e pelos seus lacaios. Está, de facto, na altura de mudar. Agora, confesso que, como melómano e defensor da cultura livre, fiquei algo desiludido com a escolha de Joe Biden para a vice-presidência. Biden é o “pau-mandado” da RIAA e MPAA, um velho defensor dos interesses da indústria discográfica e dos estúdios de Hollywood. São conhecidos os seus esforços e propostas para policiar a Internet, reprimir a troca livre de ficheiros (em particular, através das redes P2P) e proteger os direitos de autor. Para terem um exemplo, em 2007, Biden apoiou uma proposta de lei absurda destinada a interditar o direito dos ouvintes de gravar e reproduzir canções difundidas pelos serviços de rádio online e via satélite. É um tipo destes, com ideias retrógradas como esta, que Obama convidou para sentar o rabo na cadeira da vice-presidência norte-americana, caso ganhe as eleições em Novembro. Mudanças destas, dispenso, Sr. Obama.

F
“FRANGO-DA-GUIA”
Guia auto-proclama-se a “Capital do frango”. E com justiça. Pelo menos enquanto o “Ramirez” continuar a fazer o melhor frango-no-churrasco que se come neste país. Um "petisco" que não dispenso sempre que vou ao Algarve.

G
GUERRA
Na Geórgia. A velha Rússia voltou a mostrar as suas garras. O regime mafioso e corrupto de Putin (alguém tem dúvidas de quem ainda manda?) deixou claro que está disposto a tudo para defender os seus interesses. O mundo limita-se a observar.

H
HIP-HOP/R'n'B
A praga sonora que invadiu a maioria dos bares da Praia da Rocha. Pelo menos, aqueles por onde passei. Os adeptos do género que me perdoem a sinceridade, mas tirando as produções com a marca de Timbaland e de Pharrell Williams, a maioria do hip-hop/r'n'b que se faz hoje em dia é o pior lixo disfarçado de música que ouvi em toda a minha vida. Até acho bastante piada à Rihanna, à Beyonce, ao Timberlake, à Nelly Furtado, aos Outkast, aos N.e.r.d., ao Jay-Z, ao Eminem, a algumas faixas do último da Britney, a uma ou outra coisa do P Diddy e do Kanye West, mas o resto provoca-me vómitos. No que toca a hip-hop, quem me tira os meus discos dos Public Enemy, Run DMC, Beastie Boys, Afrika bambaataa, Grandmaster Flash, Beastie Boys, A Tribe Called Quest, De La Soul, Rock Steady Crew, De La Soul e Disposable Heroes Of Hiphoprisy tira-me tudo.

I
IPHONEA minha única ligação à Web nas últimas duas semanas. É verdade, desde o dia 12 de Julho que sou o orgulhoso proprietário de um iPhone 3G. Apesar de já ter tido uns dez modelos de telemóveis diferentes, este foi o segundo que comprei em toda a minha vida. Para já, estou muito satisfeito com o “bicho”. Não posso dizer o mesmo do miserável serviço/tarifário iPhone Total, da Optimus, mas isso é outra conversa…Concordo que a bateria podia ter mais autonomia, a câmara maior definição, possibilidade de gravação de vídeos e o “flash” devia vir integrado no Safari. Porém, mesmo com todas estas “limitações”, não tenho dúvidas em afirmar que o iPhone é o melhor “smartphone” (reparem como evitei a palavra “telemóvel”) do mercado. E porquê? Por uma razão muito simples: o seu sistema operativo. Convém lembrar aos distraídos que o fantástico software do iPhone corre no melhor sistema operativo criado pelo ser humano. A concorrência pode acenar com câmaras com mais megapixéis, maior capacidade de armazenamento, possibilidade de envio de MMS’s e mais uma série de tretas que acabam por nunca se utilizar, mas nenhum dos seus brinquedos vem “equipado” com o MAC OX. E isso, caros amigos, como qualquer “Mac user” sabe, faz toda a diferença. Se tiverem oportunidade, experimentem brincar com ele alguns minutos e perceberão de imediato porque o iPhone está a milhas de distância da concorrência. Para mais, é um objecto sexy e lindo de morrer, como só a Apple sabe fazer. Bonito de mais para um telemóvel, se querem que vos diga… O preço, no entanto, continua a ser obsceno. Nenhum telemóvel merece tanto dinheiro. De qualquer modo, sempre é preferível dar 500 Euros por um iPhone do que por um dos tijolos da Nokia.

J
JOE STRUMMER
Finalmente, consegui ter tempo para ver o admirável documentário sobre a vida de Joe Strummer realizado por Julian Temple. Mais do que o cantor e líder de uma das maiores bandas rock de sempre, Strummer foi o último dos rebeldes. Um rebelde autêntico. Não desses que por aí andam, para quem a rebeldia significa espetar o cabelo, usar calças rasgadas, dizer palavrões a torto e direito, fumar uns charros e encher o corpo de tatuagens. Com a sua música, as suas palavras, a sua atitude e as suas firmes convicções políticas, Strummer marcou e inspirou uma geração. Como a certa altura afirma Bono “os Clash acabaram cedo demais”. Também Strummer nos deixou cedo de mais. Mas, o seu legado, é eterno.

L
LAGOS
Está mais crescida e um pouco mais “burguesa”, mas ainda assim, os seus encantos permanecem intocáveis. Lagos continua a merecer o prémio de cidade mais bonita do Algarve. Para mim, será sempre um lugar especial.

M
MICHAEL PHELPS
- Impressionantes, as façanhas do norte-americano. Este tipo não é humano. Quem nada daquela forma, não pode ser humano.

N
NÉLSON ÉVORA
Que salto espantoso. Mereceu a glória em Pequim.

O
OLÍMPICOSDe quatro em quatro anos, o país lembra-se que existem outras modalidades desportivas para além do futebol. Lembra-se que, para além dos Ronaldos, dos Decos e dos Quaresmas, existem outros atletas de alta competição, cujos rostos não conhecem e o nome poucos sabem pronunciar, figuras de relevo de desportos a que os portugueses não prestam a mínima atenção. Atletas que, apesar de lutarem no seu dia a dia contra a indiferença, a falta de apoio e carências de toda a espécie, dão o litro para serem os melhores no que fazem. Que eu saiba, nenhum deles foi a Pequim por convite ou cortesia. Todos eles fizeram por merecer a sua presença no maior evento desportivo do planeta. Chegar aos Jogos Olímpicos não é para qualquer um. O seu acesso está apenas reservado aos melhores. Agora, exigir medalhas a esses atletas é, no mínimo, ridículo. É como, por exemplo, exigir ao Sporting que a vença a Liga dos Campeões (amigos lagartos, desculpem lá a alfinetada...). Isto não cabe na cabeça de ninguém. Agora, exigir-lhes que dêem o seu melhor e honrem o país que representam, isso sim, já é legítimo. E não tenho dúvidas que a maioria deu o melhor de si. Os resultados provam-no. Sinceramente, custa-me a perceber toda a polémica criada em redor da nossa delegação olímpica. Bem, e daí, talvez não. Afinal, criticar com o rabinho sentado no sofá sempre foi um dos desportos preferidos dos portugueses. Se esta fosse uma modalidade olímpica, aposto que vínhamos carregadinhos de medalhas de ouro dos Jogos Olímpicos.

P
PEDROO “pequeno Astronauta” foi a alegria das minhas férias. O meu "Special One" delirou com as brincadeiras na areia da praia e as idas ao banho, mesmo com a temperatura da água do mar no limite do suportável. As suas deliciosas gargalhadas foram música para os meus ouvidos, a melhor música que escutei este Verão.

Q
QUARESMA
Juntamente com Ronaldo, Quaresma protagonizou uma das novelas futebolísticas do defeso. A sua saída do FCP sempre me pareceu inevitável, restava apenas saber quanto o Inter estaria disposto a desembolsar para o levar. Pelos vistos, não pelo valor que o FCP inicialmente pretendia. Sejamos realistas, Quaresma é um excelente jogador, mas não valia os 40 milhões de euros pedidos pelo Porto. Tem ainda muito para aprender às ordens de Mourinho. E tem ainda muito para provar, principalmente na selecção nacional, onde está longe de ser um indiscutível. Espero que cresça. Boa sorte para ele.

R
“REBELDE WAY”
Séries juvenis como a recém estreada “Rebelde Way” (a propósito, que nome idiota) e “Morangos Com Açúcar” dão-nos a imagem de uma juventude padronizada, domesticada, presa a comportamentos e conceitos estereotipados. Uma juventude que veste as mesmas roupas, usa os mesmos penteados, ouve a mesma música, utiliza a mesma linguagem e os mesmos códigos. Uma juventude aburguesada, demasiado mimada pelos pais e pela sociedade, emocionalmente instável, viciada no prazer imediato e na gratificação instantânea.
Serão os jovens de hoje tão fúteis, materialistas e desprovidos de valores como aqueles que a televisão nos mostra? Quero acreditar que não. Mas, por vezes, fico na dúvida...


S
SPANAIR
Uma tragédia destas mexe sempre connosco, até porque pode acontecer a qualquer um de nós, a qualquer uma das pessoas que amamos. Não tenho medo de voar de avião nem sou paranóico com acidentes, mas fico sempre com um nervoso miudinho nas descolagens e aterragens. Há tanta coisa que pode correr mal nesses momentos. Mas, há tanta coisa que também pode correr mal ao volante de um carro. Se vivemos agarrados ao medo, mais vale não viver, certo?

T
TELEVISÃOQuase sempre desligada. É em tempo de férias, quando fico sem os "meus" canais de TV por cabo, que tomo mais consciência do enorme deserto de ideias em que se transformou a televisão generalista feita em Portugal. Um tipo que não seja fã de novelas, concursos chatos, séries parolas sobre adolescentes ainda mais parolos e “magazines” sobre a vida fútil e “glamorosa” dos pseudo-famosos, tem muitas dificuldades em encontrar algo de estimulante na programação dos 4 canais generalistas nacionais. Há excepções, mas não as suficientes que me façam ligar o televisor fora dos horários dos noticiários. E também não se perde nada...

U
U2
Nestas férias, redescobri os álbuns "Boy", "October" e "War", reeditados recentemente em edições de luxo, com som remasterizado. É incrível como soam tão frescos hoje como há mais de 20 anos atrás. Mesmo o "October", que é um disco menor em comparação com "Boy" e "War". Quem me dera que o novo "No Line On The Horizon" tivesse, pelo menos, metade da garra, da energia e da alma que estão presentes nestes 3 primeiros discos da banda irlandesa. Os U2 precisam urgentemente de um disco que os volte a tornar relevantes. Opinião de fã.

V
VERÃO
Não me recordo de um Verão tão ameno. Raros foram os dias em que as temperaturas ultrapassaram os 30 graus e as noites foram quase sempre frescas. A água do mar esteve sempre fria e não houve dia em que o vento não estragasse a ida à praia durante a tarde. Já não se fazem Verões como dantes.

X
XP, WINDOWS
Nunca pensei ter tantas saudades do meu Mac, depois de 15 dias “obrigado” a utilizar exclusivamente o sistema operativo da Microsoft. Por vezes pergunto-me: como foi possível andar tanto tempo da minha vida enganado? Porque demorei tanto tempo a ver a luz? A verdade é que nunca me deram uma alternativa aos PCs. Eu próprio, devido a uma série de preconceitos estúpidos, nunca tive coragem para procurar uma alternativa. Até ao dia em que comprei o meu primeiro iPod e “descobri” que, afinal, havia sistemas operativos e computadores que funcionavam como sempre sonhei que funcionariam. Fiquei fã e logo que foi possível tornei-me um “mac user”. Foi, provavelmente, uma das melhores decisões que tomei em toda a minha vida (isso e cancelar a TV Cabo...). Agora, não quero outra coisa. Fiquei viciado nos produtos da “maçã”. Já não me imagino sem o meu Mac. Não concebo regressar ao mundo tenebroso do Windows. Quem quer voltar a conduzir um Seat Ibiza depois de ter conduzido um Ferrari?

Z
ZERO
A vontade de regressar ao trabalho e às rotinas de sempre.

I'M BACK!

Share This Post :
Tags :

2 comentários :

Phil disse...

Bem-Vindo a "casa" Astronauta!

Fiquei parvo com esta apresentação! .. Muito Boa!!!

Continuação de um óptimo trabalho!

O Astronauta disse...

Obrigado, Phil.
Ainda bem que gostaste.

Volta sempre.
Abraços

PLANETA POP | RADAR 97.8

  • SÁBADOS | 23h-01h
  • DOMINGOS (repetição) | 15h-17h
  • SEXTAS-FEIRAS (repetição) | 23h-01h

POSTO-DE-ESCUTA

ARQUIVO:

DIREITOS

Creative Commons 

License